Aprenda o passo a passo para montar o plano de carreiras nas escolas

16/07/2019 em Coordenação escolar



Aprenda o passo a passo para montar o plano de carreiras nas escolas

Você sabe qual é a importância do plano de carreiras nas escolas? Bom, trata-se de um instrumento que tem como objetivo o desenvolvimento profissional e pessoal de um funcionário.

Um bom plano deve unir objetivos da escola e do professor, para que o crescimento de ambos seja potencializado.

O plano de carreira é imprescindível, uma vez que influencia diretamente a motivação e a satisfação dos professores.

O Ministério da Educação, visando a incentivar a formação de novos profissionais, lança projetos e faz investimentos.

No entanto, as escolas precisam aliar essas políticas a um bom plano de carreiras, buscando sempre a permanência e a motivação dos profissionais.

Como sabemos que a alta rotatividade e a desmotivação de muitos professores são extremamente prejudiciais para a escola, preparamos uma lista com 5 passos para que você possa criar um ótimo plano de carreiras na sua escola! Aproveite e boa leitura!

Faça uma descrição dos cargos

Pode ser que faltem algumas funções que auxiliem na boa fluência da rotina de trabalho da escola. Se for o caso, você pode incluí-las, mas também será preciso fazer uma descrição bem-minuciosa de cada uma.

Qual é o perfil necessário para ocupar as funções? Qual é o objetivo individual dos profissionais dentro da escola?

Responder essas perguntas ajudará você a concluir sobre a adequação daqueles que já ocupam esses cargos aos pré-requisitos exigidos.

Trace objetivos

Não adiantará muito elaborar um plano de carreira nas escolas se você não tiver os objetivos em mente. E não se esqueça de que é preciso saber claramente o que você deseja, não permitindo guiar-se por um desejo vago.

Ser reconhecido ou ganhar mais dinheiro são bons objetivos para se ter um norte, mas é necessário ter certeza de como essa vontade se materializará.

Defina as competências necessárias

Cada cargo criado terá de pressupor determinadas funções e atribuições no que se refere à rotina da escola.

Nos testes e nas entrevistas para as novas admissões, essa questão precisa ser considerada, de forma a avaliar as vertentes que são realmente necessárias para a ocupação do cargo.

Lembre-se de que cada instituição de ensino tem o seu próprio ritmo e suas particularidades. Desse modo, as atribuições de cada função devem ser condizentes com suas reais necessidades, não sendo uma cópia daquilo que se vê no mercado.

Elabore um plano de ação

Quais são os resultados e as iniciativas necessários para passar para o próximo cargo? Quanto aos pré-requisitos, quais são indispensáveis ao se contratar um novo profissional?

Todas essas questões devem fazer parte do plano de ação, que deve estar em um documento, mantido em arquivo impresso e digital, contando com a privacidade de dados e a segurança de sigilo. Quanto mais detalhado ele for, melhor será.

Crie um organograma estruturado

Quem é subordinado a quem em sua escola? Com quem as questões pessoais e as relacionadas ao trabalho devem ser tratadas?

No momento de criar um plano de carreiras, essas questões devem estar bem-claras para que você possa construir um organograma, um tipo de mapa de todas as remunerações e funções que existem na instituição.

Essa ferramenta funciona em paralelo a um plano de carreiras, que conta com todos os requisitos necessários para uma possível elevação de salário e de cargo.

Dessa forma, o colaborador percebe que os seus esforços valem muito a pena.

Lembre-se de que, apesar da questão da segurança de informações, os colaboradores precisam ficar cientes da existência desse documento e, muito mais que isso, devem ter acesso a ele.

Portanto, é preciso divulgá-lo, seja virtualmente, seja impresso. Caso contrário, não teria sentido algum estabelecer pré-requisitos e metas, já que ninguém saberia como executá-los.

Como você pôde ver após esse passo a passo, montar um plano de carreiras nas escolas está muito longe de ser uma missão impossível.

Mas, mesmo que não seja um “bicho de sete cabeças”, é fundamental que você se baseie em dados concretos para que ele possa ser condizente com o mercado no qual a sua escola está inserida.


Gostou do texto e quer continuar aprendendo com os nossos conteúdos? Então aproveite e aprenda como elaborar um plano de ação escolar em 5 passos!

Veja também

Share via